Chips em pneus passam a ser realidade no mercado de transportes

O perigo de acidentes nas estradas está em muitos fatores e um dos mais importantes é o estado de conservação dos pneus. Nesse aspecto, não faltam inovações por parte dos fabricantes que investem cada vez mais na segurança de seus produtos. Uma delas é a implantação de chip nos pneus que começa a ser introduzido no mercado aos poucos.

“Nos últimos dois ou três anos aumentou o debate sobre a importância deste acessório. Geralmente funciona por radiofrequência. É uma inovação que ajuda o motorista ou o gestor da frota a identificar baixa pressão do pneu, furos, momento de troca e superaquecimento. É algo que ajuda na segurança e na redução de custos”, explica o CEO da M2 Pneus, Luis Felipe Mascarello.

Essa e outras tecnologias poderão ser conferidas na 22ª TranspoSul – Feira e Congresso de Transporte de Logística, que acontece de 13 a 16 de junho na FIERGS, em Porto Alegre. As inscrições já estão abertas, clique aqui e participe! 

Segurança

Um dos erros mais comuns em relação ao uso dos pneus, está justamente em um dos procedimentos mais simples e fáceis de fazer: a calibragem.

“É um dos itens fundamentais para que o pneu tenha o desempenho correto e a vida útil dele aproveitada ao máximo. Vemos como uma prática recorrente a calibragem inadequada”, explica o CEO da M2 Pneus, Luis Felipe Mascarello.

Além disso, o famoso pneu careca é um dos grandes causadores de acidentes.

“Além de evitar o desgaste excessivo, é importante estar atento a outros aspectos como alinhamento, balanceamento e condições gerais da suspensão. Isso tudo influi na vida útil do pneu, na segurança do caminhoneiro e na adequada manutenção do caminhão”, acrescenta.

Cuidados com os pneus:

Limite de segurança

O desgaste máximo do pneu é de 1.6mm de profundidade dos sulcos. Abaixo disso o pneu já passa a ser considerado “careca”. Atenção, pois trafegar com os pneus abaixo do limite é ilegal e o veículo pode ser apreendido.

Manutenção mecânica

Componentes mecânicos em mau estado podem interferir diretamente no estado dos pneus e ocasionar desgastes prematuros, além de insegurança. Amortecedores, freios, rolamentos, eixos e rodas agem diretamente sobre este componente.

Balanceamento de roda

O desbalanceamento das rodas, além de causar desconforto para o motorista, provoca perda de tração, de estabilidade, desgastes acentuados em componentes mecânicos e no próprio pneu. É preciso balancear as rodas sempre que surgirem vibrações e sempre que houver troca ou conserto dos pneus. Ficar atento a cada 10.000 km rodados.

Alinhamento de direção

Deve-se alinhar o veículo sempre que houver impactos na suspensão, na troca de pneus ou quando apresentarem desgastes irregulares.

Baixa Pressão

Este é um dos principais inimigos dos pneus. O descuido com a calibragem dos pneus traz sérias consequências para a durabilidade do produto.

Excesso de Pressão

Pode causar desgaste, perda de estabilidade em curvas, rachaduras e maior propensão a estouros por impacto.

Rodízio dos Pneus

Por último e não menos importante, o rodízio serve para compensar a diferença de desgaste dos pneus, permitindo assim melhor estabilidade, especialmente em curvas e freadas.

Fonte: SOS Truck